terça-feira, julho 04, 2017

Coisinhas do Brasil do atraso...! Cadeirante de Apodi/RN, não consegue realizar o sonho de cursar faculdade na Uern, em Mossoró/RN, por falta de veículo adaptado




Hum...!Coisinhas do Brasil...! Pois é, beneficiado pela lei do deputado estadual Gustavo Carvalho (PSDB), que destina 5% das vagas da Universidade estadual do Rio Grande Norte( Uern ), para pessoas com deficiência, o estudante Marcos Monteiro, portador de distrofia muscular e que se locomove em cadeira de rodas, se sente impedido de frequentar a faculdade, mesmo tendo sido aprovado para o curso de Ciências da Computação, no campus de Mossoró(RN). É que Marcos mora em Apodi(RN) e o ônibus do município que faz o transporte diário dos estudantes universitários, não é adaptado a cadeirante. Marcos já era para ter começado a estudar no ano passado, quando foi selecionado, mas o problema o impediu e ele se confirmou. Mas esse ano o filho de agricultor da região Oeste do Rio Grande do Norte decidiu que quer estudar, já que está no direito de ocupar a vaga na faculdade. Os amigos e representantes das Associações dos Deficientes e dos Universitários de Apodi, tentaram o acesso de Marcos ao ônibus mas não obtiveram sucesso, e decidiram acionar a justiça. A faculdade em Mossoró(RN), fica a 80 quilômetros de casa e o transporte de estudantes sai de Apodi(RN), todos os dias às 05:00 hs da manhã, sem poder levar o estudante, que continua vendo seu sonho conquistado por direito, ir-se embora por falta de transporte. “Estamos na luta para conseguir um outro transporte. De imediato um carro pequeno. Ano passado ele desistiu de frequentar, mas esse ano estamos pedindo para que ele não desista, para irmos até o fim. Tentar de tudo para que a longo prazo se compre um ônibus adaptado”, disse Nemora Martins, presidente da Associação dos Deficientes de Apodi(RN), que tem incentivado Marcos a realizar o sonho de ser estudante universitário. Em Apodi(RN) a torcida por Marcos só vem aumentando. Resta saber se além dos amigos, o poder público vai fazer sua parte. Bom seria mesmo se sem necessitar da força judicial.


Fonte: Blog da Thaísa Galvão