quarta-feira, agosto 17, 2016

Coisa de cabra nada...! É lamentável, mas faz parte da realidade nossa de cada dia


praça

Hum...! Coisa de cabra nada...! O que vândalos e descuidados fazem com o patrimônio de todos nós. Quebram bancos de praças, picham placas, muros e monumentos, danificam banheiros públicos e lixeiras , iluminária publica etc e tal.  Cenário que a Secretaria de Serviços Urbanos (Semsur), em Natal(RN),  se depara diariamente. Resultado: mais gastos com o nosso  rico e pobre  dinheirinho. Eu vi no zum zum da Abelhinha. que para  se ter ideia, só nos meses de janeiro e fevereiro, a Semsur gastou cerca de R$ 40 mil em intervenções na orla de Ponta Negra, na capital potiguar, para restaurar danos como extravios de torneiras, cubas e chuveiros dos banheiros públicos. “Um novo investimento que iria beneficiar a população deixa de ser feito ou é adiado,  porque a verba que seria utilizada, teve que ser destinada para a reparação dos danos e prejuízos causados pelo vandalismo”, alerta o secretário da Semsur, Antônio Fernandes. Segundo o secretário, entre janeiro de 2015 a fevereiro de 2016, cerca de R$ 230 mil foram gastos com prejuízos causados por ações de vândalos, como quebra de bancadas, cubas, torneiras, luminárias, fechaduras e furtos, apenas nos banheiros públicos da orla de Ponta Negra e Praia do Meio. Já os gastos causados por ações criminosas como furtos e quebra de lâmpadas e luminárias, de cabos de iluminação e de refletores, giram entre R$ 45 mil e R$ 55 mil por mês. Outra área muito atingida pela ação dos vândalos é a depredação das sinalizações de trânsito. A Secretaria de Transportes (STTU) enfrenta, diariamente, ações de pichações de placas de trânsito e de informações das linhas de ônibus, além dos danos aos abrigos.Só  pra registrar, depredação ao patrimônio público segundo o código penal é crime. O artigo 163 do código diz que destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia,  pode levar à pena de detenção de 01 a 06 meses ou multa. A população deve denunciar ligando para a polícia, sem a necessidade de se identificar para registrar a denúncia.